Buscar
  • Rodrigo Viudes

MEMORÁVEIS II

Atualizado: Out 17

Denominações de vias públicas prestam homenagens póstumas a personalidades do cotidiano de Marília. Votações de Plano de Carreira e Previdência são pré-agendadas para próximas semanas. Proposta a ser apreciada na próxima segunda (18) obriga bancos a dispor de intérpretes de Libras. Legislativo está sem assessoria de imprensa

Acima: José dos Santos, Josefa Brantes e Beto Minei. Abaixo: Pedro Calandrin, Wanda Alves e Bárbara Guedes

Do construtor ao engenheiro das grandes obras. Da moça que queria ser professora aos educadores da escola e da vida. Do motorista que rasgou seus caminhos pelo Brasil àquele que reformava radiadores. Do agricultor que germinava empregos à idosa que não abriu mão de votar além dos 80 anos.

De anônimas a conhecidas, algumas personalidades do cotidiano de Marília serão perpetuadas em bairros, avenidas e ruas de Marília, conforme deliberaram os vereadores em sessão ordinária praticamente dedicada a denominações, na última quarta-feira (13), na Câmara Municipal de Marília.
Placas em breve: maioria de denominações é para vias de futuro residencial da zona oeste da cidade

Propostas por todos os vereadores através de três projetos de lei, as denominações aprovadas entram em vigor após sanção ou promulgação. Os critérios de escolham constam no artigo 99 do Regimento Interno.

Omissa no documento legislativo mariliense, a escolha por pessoa viva ou que tenha explorado mão de obra escrava, mesmo que falecida, é proibida no Brasil pela Lei 6.454 de 24 de outubro de 1977.

HOMENAGENS

Confira abaixo os escolhidos para as nomeações aprovadas na última quarta-feira (13) com breve histórico inspirado nos documentos anexos ao processo legislativo dos respectivos projetos de lei.


ALDERICO FALCÃO BORBA | (1925-1996)

Homem do campo, forjado pela origem nordestina, seo Alderico teve uma vida multiplicada pelo trabalho e a integridade. De si mesmo, gerou 12 frutos com dona Josefa Borba. Da terra, viu brotar muitos pés de café e de cana-de-açúcar, capazes de germinar 24 empregos diretos e tantos outros, arvorados por seu empreendimento rural. Desceu ao solo que tanto o entregou, aos 71 anos.


APARECIDA PEREIRA BENETTI | (1931-2020)

Marília ainda era uma grande fazenda costurada por suas primeiras construções quando Aparecida Benetti chegou de sua Pompeia, em 1936. Ainda jovem, empregou-se na fiação Macul, pela qual se aposentaria, quase 36 anos depois. A esta altura, já estava enlaçada há quase duas décadas com Waldemar Benetti e era mãe de Waldemar Junior e Hélio Benetti. De sua casa, na rua Catanduva, testemunhou Marilia crescer e fiarem seus dias, aos 89 anos.


BÁRBARA GUEDES | (1995-2020)

Bárbara queria ser professora. Desde seus 16, já dava suas lições de vida: fazia as vezes de mãe ao irmão recém-nascido. Mal iniciara Pedagogia, em 2018, viu-se à prova, de novo, nos cuidados com a família, agora com o avô acometido por um câncer. Tirou de letra, a custo de sacrifícios, mas veio a perda. Ela buscava reescrever a vida quando encontrou seu ponto final em um acidente de trânsito, em 2020. Mas, mestre na vida, reprovou a morte: graduou-se em heroína pela doação de seus órgãos.


BENEDITO PEREIRA | (1948-2004)

Natural de Avaré (SP), escorreu para Marília, aos 3 anos. Por aqui hidratou sua história, aquecida pelo casamento com dona Antonia Pereira, em 1973, e o nascimento dos filhos, Renato e Rodrigo Bastos Pereira. As águas da vida o levaram ao comércio de radiadores automotivos. De sua loja, na rua Coronel Galdino, seo ‘Dito’ estancou o prejuízo de muita gente fluindo seu ofício com perícia e honestidade até sua prematura partida, 2004, aos 56 anos.


BETO MINEI | (1961-2018)

Como explicar os desígnios do coração de Deus? Herdeiro de Julio Minei (in memorian), conhecido por sua generosidade com sua colônia e o esporte, Luiz Alberto Minei acarinhou seus passos por suas paixões pela família, o trabalho, a defesa do comércio e a sua igreja. Pai de três filhos, conheceu seus netos. De tanto desejar o bem querer, foi perecer justamente pelo que lhe pulsava a vida, abundantemente por suas veias, todos os dias. Retornou Àquele que É amor, em 2018, aos 57 anos.


CLÁUDIA HANDA KOBORI | (1971-2021)

Porquanto viveu, os números fizeram longa companhia a Claudia. Aos 21 anos, formou-se em Ciências Contábeis. Mais dois anos, e já havia se somado ao quadro de servidores públicos municipais como fiscal de rendas. Em seu histórico, contam-se ainda efetivas participações em conselhos e comissões, como que a multiplicar-se por tanta representatividade. Ainda haveria muito a contribuir à juventude de sua Seicho-No-Ie, à cidade e à vida, mas a pandemia subtraiu seus dias a apenas 50 anos


JOÃO EIRAS DOS SANTOS | (1934-2002)

Escolhido para denominar a única via pública do sítio de recreio “Terras da Boa Vista”, na saída para o distrito de Avencas, João residiu em uma das chácaras daquele condomínio até sua morte, em 2002, aos 67 anos. Ainda naquelas terras trabalhou por dez anos em serviços gerais, nos anos 1960, até empregar-se na Marilan, onde aposentou-se, após 21 anos. Deixou a esposa, Doraci, com quem era casado desde 1956, além de seis filhos.


JOÃO GERÔNYMO GIMENES | (1930-2007)

Nem todos têm a honra de contar em sua biografia do distinto ofício de professor. João é um destes privilegiados. Nascido em Penápolis (SP), formou-se no Magistério em Marília. Lecionou em Tupã (SP) até 1979, transferindo-se para a Escola Estadual “Professor José Alfredo de Almeida”, no Costa e Silva, zona sul, onde se aposentou em 1984. O homenageado faleceu em 2007, aos 77 anos. Coube à sua viúva, Alice Corrêa Gerônymo, a redação de breves palavras a seu respeito, ao estilo escolar: escritas de próprio punho em letra cursiva.


JOSÉ ANTÔNIO LOURENÇO DOS SANTOS | (1946-2020)

Escolhido para denominar o Residencial Alpínia, o homenageado engenheiro civil tem àquela vizinhança – a sede da Cooperativa dos Cafeicultores da Região de Marília (Coopemar) – uma entre tantas de suas obras. Pelos seus cálculos foram erguidos edifícios (Rio Branco Center, Rio Negro Center, Nações Unidas), o MAX Plaza Hotel e o Centro de Convenções do Sun Valley hotel. Além das mais de quatro décadas de contribuição à Construção Civil, construiu um legado ainda maior que de seus projetos através de relacionamentos pessoais e profissionais robustos. Frágil como qualquer ser humano, não resistiu à Covid-19, em 2020, aos 74 anos.


JOSÉ DO NASCIMENTO | (1945-2020)

Dos projetos idealizados pelos engenheiros e arquitetos dependem as mãos dos operários que transformam sonhos em realidade em concreto armado. Entre tantos relegados ao anonimato das inaugurações estava seo José do Nascimento, que carregou a carga de dezenas de obras nas costas para sustentar cinco filhos. Entre eles, o vereador Ivan Negão (PSB), de quem se despediu antes mesmo dos alicerces da campanha eleitoral, em 2020. O operário, enfim, será lembrado, perpetuado pela via da Construção Civil.


JOSEFA CORDEIRO BRANTE | (1938-2021)

Mulher de origem humilde, agrária e nordestina, casou-se aos 16 anos. Teve sete filhos. Viúva aos 31 anos, labutou nos estudos: formou-se técnica em eletrônica, bacharel em Filosofia e Teologia. Aposentou-se na rede de ensino mas não abandonou a leitura e sua hospitalidade aos que procuravam nas letras um futuro melhor. Ainda nos anos 1970 e 1980 ocupou-se de ensinar a Palavra de Deus às crianças na calçada em frente à sua casa. Contou 1.112 batizados em sua igreja. Crente em um Brasil melhor, compareceu às urnas até 2020 para dar seu exemplo de cidadania. Faleceu em 2021, aos 83 anos.


MARIA DOS REIS PASINI | (1931-2006)

A escolhida para a denominação de uma das vias do Jardim Florença também veio para Marília por influência da ferrovia. O marido, Sebastião Pasini (in memoriam) trabalhava, à época, na Ferrovias Paulistas SA (Fepasa [1971-1998]). Desta união nasceram seis filhos. Maria faleceu em 2006, aos 75 anos.


ORIDES SGARBI | (1932-1986)

Natural de Bocaina (SP), Orides iniciou sua estrada da vida em Marília em 1955, já casado com Maria Madalena Calciolari. Foi produtor rural no distrito de Avencas e, ao mudar-se para a cidade, tornou-se motorista. A bordo do próprio caminhão, rasgou o Brasil. Em passagem por Rio Branco (AC), em 1980, contraiu malária. Acometido de um acidente vascular cerebral, em 1982, precisou estacionar seus sonhos. Partiu em 1986, com uma grande carga de saudade da esposa e seus quatro filhos.


PEDRO CALANDRIN | (1933-2019)

Foi pelas vias da Companhia Paulista de Estrada de Ferro (1868-1971) que a família de Calandrin desembarcou em Marília, em 1947. Pedro trilhou o próprio caminho: casou-se, teve duas filhas, netos. Foi comerciante, construtor e uma figura social marcante, seja na mesa de snooker do Yara Clube, em sua generosa atuação a entidades e inúmeras famílias como vicentino ou nas pescarias com seus privilegiados amigos. Depois de décadas de serviços voluntários prestados para amparar o próximo, Pedro ainda encontrou forças, já adoecido, para confeccionar e doar dez bengalas a um asilo da cidade. Partiu em 2019, aos 86 anos.


SEBASTIÃO RODRIGUES MOURÃO | (1963-2013)

Natural de Cândido Mota (SP), mudou-se para Marília 1980. Foi motorista da extinta Empresa Circular de Marília e da ambulância dos Hospital de Clínicas. Por fim, atuou como agente na Penitenciária de Marília, conforme consta de seus rasos registros na Câmara Municipal. Faleceu em 2013, aos 50 anos. Deixou esposa e uma filha.


WANDA D’ÁVILA ALVES | (1949-2021)

A única avenida do futuro residencial leva o nome de uma mulher dedicada a abrir caminhos através da Educação. Contam-se aos milhares os que tiveram a oportunidade de compartilhar de suas lições em mais de quatro décadas de dedicação à rede de ensino em Marília. Primeira assistente de direção a se aposentar em Marília, em 2008, foi sócia-diretora do extinto jornal Comércio de Marília com o marido, o radialista Antonio Carlos Alves, com quem completou bodas de ouro de casamento, pouco antes de seu falecimento, aos 72 anos.


PLANO DE CARREIRA

As votações dos planos de cargos, salários e carreiras e da previdência dos servidores públicos municipais devem ir ao plenário nas sessões ordinárias nas próximas semanas. As datas foram confirmadas ao blog pelo presidente da Câmara, Marcos Rezende (PSD).

Em relação aos planos de carreira, devem ser levados ao plenário, dia 3 de novembro, Projeto de Lei Complementar (PLC) 11/2021, dos servidores do Legislativo e o terceiro substitutivo do PLC 5/2020, protocolado na Câmara em 25 de agosto. A proposta atende apenas os servidores da administração direta, incluindo os profissionais da Saúde e do Magistério da Educação Básica.

Projetos correlatos, referentes aos servidores do Departamento de Água e Esgoto de Marília (Daem) e do Instituto de Previdência do Município de Marília (Ipremm), que tramitavam no Legislativo, foram retirados pelo Executivo, baixados aos arquivos, mas devem ser substituídos por nova propositura.

No dia 25 deste mês, por sua vez, será votado o substitutivo do PLC 22/2021, que reestrutura o regime próprio de previdência social dos servidores públicos municipais e o próprio Ipremm. O projeto foi exposto e debatido em suas audiências públicas.

LIBRAS NOS BANCOS

Apenas três projetos estão pautados para a sessão ordinária da próxima segunda (18). Dos dois conclusos, o PL 50/2021, de autoria do presidente Marcos Rezende, dispõe sobre a obrigatoriedade da presença de intérpretes da Língua Brasileira de Sinais (Libras) nas agências bancárias.

Caso seja aprovada, a proposta prevê prazo de 180 dias para que as instituições bancárias atendam a eventual nova legislação municipal. Caso contrário, há multas que variam de R$ 1.454,50 a R$ 14.545,00.

A obrigatoriedade já consta de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) assinado em 2008 entre a Federação Brasileira de Bancos (Frebraban) e o Ministério Público. A fiscalização cabe à Procuradoria – e, se houver, em Marília, também pelo município, caso a lei seja aprovada.

RESENHA CAMARÁRIA


SEM ASSESSORIA

A Câmara Municipal de Marília está sem assessoria de imprensa. O jornalista Ramon Barbosa Franco foi exonerado, segundo publicação divulgada na edição desta sexta (15), do Diário Oficial do Município de Marília (Domm). O profissional já havia sido comunicado de seu desligamento ainda na quarta-feira (13). Não houve, portanto, divulgação de conteúdo oficial sobre a última sessão.

LOTEAMENTO

O cargo não deve ficar vago por muito tempo. Ainda na quarta-feira (13), após a sessão, o presidente Marcos Rezende (PSD) reuniu-se com o pastor e apresentador de tevê, Garcia do Povo, da Igreja do Evangelho Quadrangular (IEQ). Segundo apurou o blog, a denominação deve indicar o novo assessor de imprensa da Câmara – a exemplo do que ocorrera ao cargo de diretor da TV Câmara, com a nomeação do pastor Laio Rodrigues, da IEQ.


MÉDIO

O futuro responsável pela comunicação do Legislativo em Marília não precisa nem ter diploma em jornalismo. Esse é o nível atual do provimento para o cargo comissionado de assessoria de imprensa, segundo a Estrutura Administrativa da Câmara Municipal de Marília. A subordinação é direta ao presidente da vez. O salário bruto é de R$ 3.020,95. O expediente inclui ainda “sessões, reuniões e eventos externos”.


CPI DA RESISTÊNCIA

Raramente citada por seus próprios membros - e muito menos pelos outros - durante as sessões ordinárias e extraordinárias, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid promoveu mais uma oitiva nesta sexta-feira (15). O depoente da vez foi o superintendente da Santa Casa de Misericórdia de Marília, Sandro Stopato Arruda. A investigação deve reaparecer no noticiário na próxima semana. O próximo a ser convocado é o secretário municipal da Saúde, Cassio Luiz Pinto Junior.


Clique abaixo e confira a sessão ordinária desta quarta (13) na íntegra:


REQUERIMENTOS APROVADOS NA SESSÃO DA ÚLTIMA QUARTA (13)

Segue relação completa abaixo pela ordem de leitura. Clique no número e confira a que se refere cada um:


1847/2021, de Evandro Galete (PSDB)

1876/2021, de Luiz Eduardo Nardi (Podemos)

1841/2021, de Marcos Custódio (Podemos)

1809/2021, de agente federal Júnior Féfin (PSL)

1803/2021, de Rogerinho (PP)

1840/2021, de Vania Ramos (Republicanos)

1867/2021, de Junior Moraes (PL)

1869/2021, de Danilo da Saúde (PSB)

1784/2021, de Eduardo Nascimento (PSDB)

1795/2021, de Elio Ajeka (PP)

1893/2021, de Evandro Galete (PSDB)

1929/2021, de Ivan Negão (PSB)

1945/2021, de Luiz Eduardo Nardi (Podemos)

1947/2021, de Marcos Rezende (PSD)

1948/2021, de Marcos Rezende (PSD)

1949/2021, de Marcos Rezende (PSD)

1912/2021, de agente federal Júnior Féfin (PSL)

1872/2021, de Rogerinho (PP)

1851/2021, de Professora Daniela (PL)

1859/2021, de Vânia Ramos (Republicanos)

1891/2021, de Junior Moraes (PL)

1933/2021, de Danilo da Saúde (PSB)

1900/2021, de Eduardo Nascimento (PSDB)

1838/2021, de Elio Ajeka (PP)

1895/2021, de Evandro Galete (PSDB)

1946/2021, de Luiz Eduardo Nardi (Podemos)

1925/2021, de Marcos Custódio (Podemos)

1915/2021, de agente federal Junior Féfin (PSL)

1919/2021, de Rogerinho (PP)

1909/2021, de Professora Daniela (PL)

1889/2021, de Vania Ramos (Republicanos)

1943/2021, de Junior Moraes (PL)

1907/2021, de Eduardo Nascimento (PSDB)

1858/2021, de Elio Ajeka (PP)

1850/2021, de Professora Daniela (PL)


A PAUTA DA SESSÃO ORDINÁRIA DA ÚLTIMA QUARTA-FEIRA (13):


I – PROJETOS A SEREM CONSIDERADOS OBJETO DE DELIBERAÇÃO


1Projeto de Lei nº 151/2021, do vereador Marcos Rezende (PSD), denominando avenida João Eiras dos Santos a única via pública do loteamento Sítios de Recreio “Terras da Boa Vista”, que teve aprovado o projeto de regularização fundiária através do Decreto nº 13.125/2020.

ACEITO por unanimidade


2Projeto de Lei nº 156/2021, do vereador Marcos Rezende (PSD), modificando a Lei 7.217/10, referente a datas comemorativas e eventos do município de Marília, incluindo a Semana Municipal do Lixo Zero, na última semana do mês de outubro.

ACEITO por unanimidade


II – PROCESSOS CONCLUSOS


1 – Primeira discussão do Projeto de Lei nº 152/2021, da Mesa da Câmara, denominando “Residencial Comendador Dr. Fábio Villaça Guimarães – Residencial Alpinia” e respectivas vias públicas do loteamento Residencial Alpínia, aprovado pelo Decreto Municipal nº 13.280/2021 e revogando o inciso X, do parágrafo único, do artigo 1º da Lei 6.833/2008. Há emenda em 2ª discussão.

APROVADO em 1ª e 2ª discussões, mais emendas, por unanimidade


2 – Primeira discussão do Projeto de Lei nº 119/2021, do vereador agente federal Júnior Féfin (PSL), denominando rua Maria dos Reis Pasini a via pública 13, do Bairro Jardim Florença, aprovado pelo Decreto nº 9.759/2008, em complemento à Lei nº 7054/2010. (Processo incluído na Ordem do Dia a requerimento verbal, aprovado, de seu autor).

APROVADO em 1ª e 2ª discussões


A PAUTA DA SESSÃO ORDINÁRIA DA PRÓXIMA SEGUNDA-FEIRA (18):


I – PROJETOS A SEREM CONSIDERADOS OBJETO DE DELIBERAÇÃO


1Projeto de Lei nº 155/2021, do vereador Marcos Rezende (PSD), modificando a Lei nº 7217/10, referente a datas comemorativas e eventos do município de Marília, incluindo a ‘Semana de Combate ao Bullying’, na segunda semana do mês de abril.


II – PROCESSOS CONCLUSOS


1 – Primeira discussão do Projeto de Lei nº 43/2021, do vereador Eduardo Nascimento (PSDB), instituindo o ‘Selo Reconstruindo Vidas’, a ser conferido às empresas que aderirem às ações de auxílio à reconstrução de moradias, retirada de famílias em áreas de risco, que estejam em situação de vulnerabilidade social. Há substitutivo.


2 – Primeira discussão do Projeto de lei nº 50/2021, do vereador Marcos Rezende (PSD), dispondo sobre a obrigatoriedade nas agências bancárias de nosso município da presença de um profissional que saiba a Língua Brasileira de Sinais (Libras).



583 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo