top of page

CALA MATRACA?

Atualizado: há 1 hora

Câmara Municipal inicia legislatura em 2019 com 'direito de resposta' contra OSCIP que fiscaliza Executivo e Legislativo, prestação de contas de prefeito e aprovação de projetos por mais transparência na prefeitura


O presidente da Câmara Municipal, Marcos Rezende: resposta rápida e crítica a artigo publicado pela Matra

Mais transparência. Inclusive à própria entidade que carrega essa demanda no nome, a Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) Marília Transparente (Matra), que não ficou imune às críticas e às proposituras que predominaram na primeira sessão ordinária da Câmara Municipal de Marília em 2019, realizada na tarde/noite desta segunda-feira (4).

Os esclarecimentos começaram pelo prefeito Daniel Alonso (PSDB) que, convidado pelo novo presidente da Câmara e ex-líder do atual governo municipal, Marcos Rezende (PSD) e acompanhado de quase todo estafe de secretários e assessores, prestou contas de seus dois primeiros anos de gestão.


Criticado regularmente ao longo de sua administração pela demora no atendimento dos requerimentos protocolados pelos vereadores, Alonso comprometeu-se a manter um relacionamento mais próximo ao Legislativo para a análise dos projetos que serão enviados ao longo de 2019.

"É para que se vote com mais tranquilidade, mais segurança, mais informações, mais subsídios", frisou o prefeito, que concluiu seu discurso de mais de uma hora com a citação das benfeitorias que espera entregar ainda neste ano - algumas delas, com apoio do próprio Legislativo.

Prestação de contas: prefeito Daniel Alonso falou sobre gestão e projetos para 2019 na primeira sessão da Câmara em 2019

'DIREITO DE RESPOSTA'

Ainda com a presença do prefeito no plenário, o presidente da Câmara fez a leitura, na íntegra, do 'direito de resposta' publicado no site e na página do Legislativo no Facebook, produzido por ele, em repúdio a um artigo publicado pela Matra na edição de domingo (3) do Jornal da Manhã (leia aqui).

Intitulado 'Com dinheiro do povo não', o texto da OSCIP questiona a quantidade de recursos devolvidos pela Câmara nos últimos quatro anos - mais de R$ 22 milhões, segundo a entidade - e estima o uso do resíduo previsto para este ano nas contratações de uma agência de publicidade, de uma emissora de rádio para transmissão das sessões e de mais um assessor para cada vereador.

"Caso esses projetos sejam aprovados e implantados com a anuência dos senhores vereadores, todo o trabalho recente realizado pela sociedade civil organizada (apoiado e votado de forma brilhante por 12 dos 13 representantes do povo), que diminuiu de 21 para 13 o número vereadores – proporcionando uma economia de quase R$ 6 milhões por legislatura – ficará sem efeito ", argumenta a Matra.


No centro da lupa: entidade que cobra transparência sofre críticas por argumentar contra gastos na Câmara Municipal

A reação do Legislativo - e, em particular, de Marcos Rezende - foi divulgada antes mesmo da sessão (leia aqui). Segundo o 'direito de resposta', disposto em sete artigos, a opinião da Matra "insinua a desprezível prática da farra financeira com recursos públicos, o que não condiz com a verdade dos fatos".

"(A Matra) ignora todas e quaisquer prerrogativas legais e constitucionais do duodécimo (artigo 29-A da Constituição Federal, que estabelece para o custeio do Poder Legislativo o percentual de até 6% do orçamento municipal em cidades do porte de Marília). Se quantificarmos os valores determinados para o exercício de 2019, notaremos que a Câmara Municipal de Marília receberá 1,8% (ou seja, três vezes menos o que determina a Lei)", afirmou a presidência.

Entre os gastos apontados pela Matra, um atingiu em cheio uma das 'bandeiras' da nova presidência do Legislativo: a contratação de mais um assessor para cada vereador. Atualmente, há apenas um.

A redução, aliás, se deu por uma iniciativa da própria OSCIP que, em 2015, conseguiu que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) exonerasse 42 cargos comissionados na Câmara Municipal de Marília.

"O atual déficit e ausência de assessores vêm provocando a sobrecarga de serviços, acúmulo de tarefas e tempo/resposta menor nas atividades do Poder Legislativo, forçando servidores concursados e os servidores comissionados a assumirem funções e trabalhos que não são do escopo de suas funções e atribuições laborais", argumentou Rezende.

"Estamos abertos ao diálogo. O que pedimos é respeito!", bradou o presidente. "Esse argumento de economia é pura demagogia! É economia na base da porcaria", criticou Mário Coraíni Junior (PTB).

"Porque a Matra não vai abraçar a causa da Juventude Criativa?", sugeriu Albuquerque (PRB), referindo-se a uma entidade assistencial da cidade. Procurada pelo blog, a Matra informou ainda na noite desta segunda (4) que responderá às críticas recebidas de forma colegiada.


VISTAS, ADIAMENTOS E APROVAÇÕES

Dos seis projetos conclusos da ordem do dia, metade não foi à votação. O Projeto de Lei 149/2018, de autoria da Prefeitura de Marília, que modifica e revoga dispositivos da Lei 7.612, de 9 de maio de 2014, que regulamenta o Grupo Especial de Análise (GEA) teve pedido de vistas por uma semana pelo vereador Wilson Damasceno (PSDB).

Marcos Custódio (PSC) pediu o adiamento, por duas sessões, da discussão da segunda discussão do Projeto de Emenda à Lei Orgânica (LOM) 7/2018, que estabelece a obrigatoriedade de constar certidões negativas de débitos tributários das esferas federal, estadual e municipal para permissão de uso de bens municipais.

Luiz Eduardo Nardi (PR) utilizou do mesmo dispositivo regimental, também por duas sessões, do Projeto de Lei 75/2018, que modifica a Lei 7.117/2010 (instituição do Portal da Transparência), passando a incluir os dados referentes à central de vagas para escolas municipais e creches.

Outros dois projetos foram aprovados, ambos já em duas discussões: o Projeto de Lei 35/2018, de autoria de José Luiz Queiroz (PSDB), que dispõe sobre a divulgação de informação relativas aos contratos de locação de imóveis feitos pela administração pública; e o Projeto de Resolução número 5, de autoria da Mesa Diretora da Câmara, modificando a Resolução 183/90 (Regimento Interno), que disponibiliza as contas do Executivo Municipal para consulta e apreciação.

O Projeto de Lei 183/2018, enviado pelo Executivo, que autorizaria o Daem (Departamento de Água e Esgoto de Marília) a receber em comodato área para instalação de poço profundo, foi reprovado por não ter atingido quorum na votação qualificada nesta segunda (4).






56 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page