top of page

EM RITMO DE CAMPANHA

Atualizado: 17 de set. de 2023

Do vice em ‘gestão relâmpago’, o chefe de Poder de olho no gabinete de cima ao ‘ex’ que deseja voltar à cadeira principal do Paço Municipal, fatos e contextos dos prefeitáveis Cícero do Ceasa, Eduardo Nascimento e Abelardo Camarinha rumo às Eleições-2024 em Marília


Licenciado desde segunda-feira (11) até, pelo menos, o próximo dia 26, após autorização unânime do plenário da Câmara Municipal de Marília, em sessão ordinária, o prefeito Daniel Alonso (sem partido) deixou a principal cadeira da cidade vazia.

Prefeito em exercício desde terça-feira (12), o vice Cícero do Ceasa (PL), afirmou que não a ocupará senão pelas vias eleitorais como eventual candidato da situação no pleito que virá, com apertada concorrência.

Cadeira ocupada: prefeito Daniel Alonso (sem partido) recebe vice Cícero antes de licença-saúde | Foto: PMM

Do gabinete de baixo, Eduardo Nascimento (PSDB) almeja trocar de chefia de Poder enquanto o mais usual ocupante da poltrona do Executivo desde a década de 1980, o ex-prefeito Abelardo Camarinha (Podemos) para lá quer voltar.

Entre contextos e fatos, os três prefeitáveis seguem em ação, em disputa pré-eleitoral antecipada por espaços e protagonismos, como prévia do que há de se esperar da cena política de Marília até a Eleição de 2024.


O VICE

Pela primeira vez desde 2021, Cícero faz jus à primeira atribuição de um vice: substituir aquele que o eleitor, em maioria, decidiu reeleger – no caso de Daniel Alonso (sem partido). A ‘gestão relâmpago’ será, por ora, de 15 dias, e descontando.

Na prática, desde terça (12), o vice terá ao menos acesso maior, por ofício de chefia, ao governo de 33 meses do qual tem participado como figurante, apartado ao seu gabinete de gestão de expectativas.

Por isso, a inclusão na agenda desta quinta-feira (14) da reunião com todo secretariado, em que pese o prefeito em exercício seja um ouvinte de demandas das quais pouco poderá interferir. Restarão, ao menos, imagens a serem exploradas em campanha eleitoral.

Ou engavetadas, caso não supere a concorrência interna pelo nome do governo à sucessão. Ao menos dois são subordinados seus de momento no gabinete municipal: o chefe, Levi Gomes de Oliveira, e o assessor especial, Alysson Alex Sousa e Silva.

Exclusividade rara: Cícero representa prefeito sem 'concorrência' do gabinete municipal | Foto: PMM

Ambos, aliás, mais influentes no governo que o próprio vice que, agora, interino, tem tanto o bônus da oportunidade de mostrar o prefeito que desejaria ser quanto o ônus da omissão em decisões que poderia ter.

Embora ainda opositor declarado à concessão dos serviços de água e esgoto do município, não se espera do prefeito interino a conversão de seu discurso em qualquer intervenção ao processo licitatório retomado em pleno feriado de Independência.

Em seu primeiro ato oficial, autorizou remanejamento orçamentário de R$ 500 mil ao Departamento de Água e Esgoto de Marília (Daem) através de abertura de crédito adicional suplementar, segundo decreto publicado na edição desta quarta-feira (13) no Diário Oficial do Município de Marília (DOMM).

A lealdade declarada ao prefeito Daniel Alonso implicará no principal ativo de que o vice sustenta suas expectativas eleitorais, ao menos frente aos rivais governistas: as pesquisas de intenção de voto.

A depender dos resultados colhidos ainda nos primeiros meses de 2024 caberá a Cícero do Ceasa capitalizar eventual preferência, inclusive fora do governo, ou resignar-se a tentar outra cadeira, de volta ao Legislativo.

Por lá, exerceu dois mandatos consecutivos: de 2013 a 2016, pelo PT, e de 2017 a 2020, pelo PV, até se transferir ao PL e vencer nas urnas pela terceira vez consecutiva, como vice de Daniel Alonso, em 2020.

O PRESIDENTE

Chefe do Poder Legislativo, Eduardo Nascimento (PSDB) já experimentou a mesma condição de Cícero do Ceasa: ser vice de Daniel Alonso, então pelo PTB, na disputa eleitoral de 2012. Atual deputado estadual, Vinícius Camarinha (PSB, à época), foi eleito prefeito.

Secretário de Esportes, Lazer e Juventude de janeiro de 2017 a abril de 2020, no primeiro Governo Alonso, saiu de cena no Executivo para voltar ao Legislativo e conseguiu, em 2020, como ocorrera em 2000, 2004 e 2008.

No mesmo time: Nascimento foi secretário de esportes em quase todo primeiro Governo Alonso | Foto: Arquivo

Em seu quarto mandato de parlamentar, articulou, na virada do meio da atual legislatura, no início deste ano, para retornar à 3ª vez na cadeira da presidência da casa, que houvera ocupado nos biênios de 2007 a 2008 e de 2009 a 2010.

Político hábil e oposicionista quase isolado em um plenário majoritariamente governista, reelegeu-se presidente ao compartilhar poder na Mesa Diretora e de barganha a colegas junto ao Executivo.

Embora desconverse quando questionado sobre suas pretensões eleitorais para 2024, Nascimento já trabalha por uma eventual candidatura à Prefeitura – ou, ao menos como vice, mais uma vez.

Por isso seus posicionamentos cada vez mais contundentes e contrários a recentes iniciativas do Executivo como a aprovação da concessão do Daem e o novo regime previdenciário do servidor público municipal, em busca de visibilidade eleitoral.

Neste sentido, Nascimento tem ocupado lacunas políticas desleixadas pelo Executivo como a interlocução direta com os moradores do Conjunto Habitacional “Paulo Lúcio Nogueira”, na Zona Sul e os enfermeiros que pleiteiam o novo piso nacional da categoria.

Nesta quarta (13), por exemplo, não ‘poupou’ o prefeito interino durante reunião com profissionais da enfermagem. Solicitou, em ligação de ‘viva voz’ o envio do projeto de lei necessário para o pagamento do repasse do recurso da União.

Ouviu, do lado de lá, a promessa de celeridade do prefeito em exercício, cumprida ainda nesta quarta (13). Cabe ao presidente, que sonha em se tornar prefeito, pautar a propositura na sessão ordinária da próxima segunda-feira (18) após a tramitação regimental.

O PRETENDENTE

Sem mandato desde sua segunda e conturbada passagem pela Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), com direito a cassação de mandato e retorno ao plenário via Justiça, Abelardo Camarinha (Podemos) está próximo de voltar ao páreo eleitoral.

A aprovação do texto-base da minirreforma eleitoral nesta quarta-feira (13), com ampla maioria de votos da Câmara dos Deputados, deve favorecer Camarinha, quanto à mudança na regra de inelegibilidade.

Por ora, o político mariliense segue barrado a se candidatar devido a uma condenação no Supremo Tribunal Federal (STF) e a reprovação de prestação de contas como deputado federal pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

A nova redação altera critérios de contagem de tempo da condenação que, em tese, permitiriam que Camarinha estivesse apto para as Eleições-2024 – e como prefeitável, conforme confirmou ao blog.

“Só tenho uma condenação injusta. Isso se arrasta há 20 anos. Como a minirreforma, ela está (sic) prescrita. Eu estarei livre, leve e solto, devolvendo a prefeitura e o poder ao povo”, afirmou Abelardo, via assessoria de imprensa.

Ninguém se assentou por mais tempo que o ex-deputado estadual e federal na cadeira de prefeito de Marília desde a década de 1980. Foram 14 anos, distribuídos em três mandatos: 1983 a 1988 e de 1997 a 2004.

Em campanha: Camarinha pode ficar apto para concorrer à Prefeitura de Marília, em 2024 | Foto: Facebook

Em sua última tentativa de retorno ao Paço Municipal, em 2020, Camarinha enfrentou, além dos concorrentes, o indeferimento de sua candidatura e um processo de inelegibilidade que culminou com a cassação de seus direitos políticos, cuja Ação Civil Pública, de 2002, pode agora ser ignorada pela minirreforma eleitoral.

Aos 71 anos, Abelardo Camarinha nunca deixou de estar em campanha ou mandato, desde seu ingresso na vida pública como vereador em Marília, pela 10ª legislatura, entre 1977 e 1983. À época, do Legislativo seguiu direto ao Paço Municipal.

À próxima corrida eleitoral, o ex-prefeito, se apto estiver, terá a seu favor variada lista de realizações próprias de sua longevidade na chefia da cidade, ampliada por ruas redes de comunicação social, em que pese denúncias e condenações – 35.006 (32,06%) votaram nele em 2020 (um a cada três dos votos válidos).


RESENHA CAMARÁRIA

RESOLUÇÃO SOLENE

Aprovada na segunda (11) por unanimidade, a mudança regimental que limitou a votação de sessões solenes a apenas duas por vereador(a) já foi promulgada pelo presidente Eduardo Nascimento (PSDB) na edição desta quarta-feira (13) do Diário Oficial do Município de Marília (DOMM). Cada ato do gênero custa entre R$ 12 mil a R$ 15 mil, segundo informou a diretoria do Legislativo. Nesta sexta (15), aliás, haverá solenidade pelo ‘Dia do Economista’. Sugestão de Marcos Custódio (Podemos), que já passou da cota.


TRIBUNA LIVRE

Fonte de inspiração ao sobrinho e campeã o olímpico do salto com vara, Thiago Braz da Silva, o ex-atleta Fabiano Braz da Silva, o ‘Xexo’, encara nesta quinta (14), às 16 horas, a prova de exposição pública da Tribuna Livre no plenário da Câmara Municipal de Marília. Antes apoiador do prefeito Daniel Alonso (sem partido), Silva vai atacar problemas e abandonos da cidade. Nas últimas duas corridas eleitorais ao parlamento local, o ex-atleta competiu por partidos ‘rivais’ no jogo político: em 2016, pelo PC do B, da esquerda e em 2020, pelo PL, da direita, ao qual é filiado hoje.


PEDIDO DE CP

O catador de materiais recicláveis Ademar Aparecido de Jesus, o ‘Dema da Estação’ empilhou mais um pedido de instalação de Comissão Processante (CP) contra o prefeito Daniel Alonso (sem partido). A acusação da vez é relacionada à contaminação de nascentes com esgoto lançado in natura. Por praxe, a peça protocolada no Legislativo demandará parecer da Procuradoria Jurídica que orientará pela sua leitura em sessão ordinária ou arquivamento. As últimas três tentativas de CP pelo mesmo autor que chegaram ao plenário foram barradas por ampla maioria de votos.


REQUERIMENTOS APROVADOS NESTA SEGUNDA-FEIRA (11):

Confira abaixo quais foram, na ordem em que foram votados. Clique no número e confira a que se refere cada um:


1531/2023, de Eduardo Nascimento (PSDB)

1572/2023, de Eduardo Nascimento (PSDB)

1589/2023, de Eduardo Nascimento (PSDB)

1528/2023, Elio Ajeka (PP)

1514/2023, de Evandro Galete (PSDB)

1505/2023, de Luiz Eduardo Nardi (Podemos)

1526/2023, de Marcos Custódio (Podemos)*

1542/2023, de Marcos Rezende (PSD)

1283/2023, de Sérgio Nechar (PSB)

1568/2023, de agente federal Junior Féfin (União Brasil)

1515/2023, de Rogerinho (PP)

1443/2023, de Professora Daniela (PL)

1375/2023, de Vania Ramos (Republicanos)

1534/2023, de Junior Moraes (PL)

1535/2023, de Danilo da Saúde (PSB)

1532/2023, de Elio Ajeka (PP)

1406/2023, de Evandro Galete (PSDB)

1541/2023, de Luiz Eduardo Nardi (Podemos)

1527/2023, de Marcos Custódio (Podemos)

1545/2023, de Marcos Rezende (PSD)

1060/2023, de Sergio Nechar (PSB)

1494/2023, de agente federal Junior Féfin (União Brasil)

1516/2023, de Rogerinho (PP)

1585/2023, de Professora Daniela (PL)

1504/2023, de Vania Ramos (Republicanos)

1575/2023, de Junior Moraes (PL)

1581/2023, de Danilo da Saúde (PSB)

1580/2023, de Elio Ajeka (PP)

1530/2023, de Evandro Galete (PSDB)

1594/2023, de Luiz Eduardo Nardi (Podemos)

1556/2023, de Marcos Custódio (Podemos)

1595/2023, de Marcos Rezende (PSD)


A ORDEM DO DIA DA SESSÃO ORDINÁRIA DESTA SEGUNDA-FEIRA (11):

1 – Primeira discussão do Projeto de Lei nº 53, do vereador Eduardo Nascimento (PSDB), dispondo sobre a publicidade da relação de pacientes que aguardam há mais de 48 horas nas unidades de saúde do município por vagas para internação. Há substitutivo.

APROVADO em 1ª e 2ª discussões por unanimidade


2 – Primeira discussão do Projeto de Resolução nº 7/2022, do vereador Marcos Rezende (PSD), modificando a Resolução nº 183/1990 – Regimento Interno, limitando a apresentação de duas homenagens por sessão legislativa para cada vereador. Votação por maioria absoluta.

APROVADO em 1ª e 2ª discussões por unanimidade. Retirada emenda de Elio Ajeka (PP), por unanimidade e REJEITADA emenda de Professora Daniela, por maioria de votos.


3 – Discussão única do parecer da Comissão de Justiça e Redação, exarado na Correspondência nº 1.954/2023, da Prefeitura Municipal, solicitando o referendum da edilidade para outorgar “permissão de uso” da área III, localizada no bairro Palmital Prolongamento, à Associação de Pais e Amigos da Criança e Jovem Autista – Espaço Potencial.

APROVADO por unanimidade em discussão única

78 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

コメント


bottom of page